No meio dos variadíssimos aspectos psicológicos que integram uma personalidade humana funcional, equilibrada e feliz, a auto-estima e a auto-confiança têm um papel muito relevante.

Quando a auto-estima se eleva a percepção de amor próprio, valor pessoal e bem-estar é elevada. O equilíbrio, a funcionalidade e eficácia no trabalho, na vida social e na vida afectiva sobem para o “next level” que tanto desejamos.

A auto-estima e auto-confiança estão correlacionados com o sucesso. A nossa intuição é clara sobre este facto, não precisaria de confirmação cientifica.

Todos sabemos que é muitas vezes a nossa auto-estima e auto-confiança que nos inibem, repetidamente, de nos aproximarmos de um ambiente social que receamos e que nos poderia trazer oportunidades que melhorariam muito a nossa vida a muitos níveis.

Se calhar é fácil para si lembrar-se de festas que evitou, convívios no trabalho que recusou, oportunidades de frequentar determinado meio que desperdiçou, etc. tudo por algo que poderia imputar  à sua auto-estima e auto-confiança.

Conhecemos casos de atletas de alto nível que desistiram de carreiras devido ao impacto mediático e casos de pessoas que por temerem a exposição televisiva atrasaram a sua catapultação para o sucesso estrondoso que mereciam.

A auto-estima deve ser um aspecto a darmos toda a atenção por isso propomos o desenvolvimento deste tema ao longo de vários artigos.

Para já aqui ficam as primeiras dicas de aplicação prática e com primeiros resultados facilmente visiveis:

1 – Assuma a responsabilidade pela contrução de uma maior auto-estima e auto-confiança. Culpabilizar os outros, ainda que estes possam de alguma forma ter estado na origem das suas limitações, deixa-o preso a um passado que impede o desenvolvimento de um pleno potencial e gera em si emoções negativas. Se assumir a responsabilidade pela sua mudança a probabilidade de construir o futuro que deseja aumenta exponencialmente.

2- Use a sua postura para reflectir e sentir auto-confiança. Se apresentar uma postura mais confiante, progressivamente irá sentir-se mais seguro, porque a nossa fisiologia também é uma das condicionantes do nosso estado emocional.

Desenvolva uma postura confiante:

– Mantenha as costas direitas

– Erga a cabeça (como se fosse puxada por um fio imaginário)

– Descontraia os ombros (mantendo-os afastados das orelhas)

– Dirija o seu olhar para os olhos da pessoa com quem fala.

– Acompanhe o seu discurso com gestos fluídos (não esconda as mãos nos bolsos, não cruze os braços nem mexa nervosamente em aneis, no cabelo, nariz etc.)

3- Recorde-se das suas qualidades. Todos nós temos imensas qualidades das quais muitas vezes nos esquecemos. Ao recordarmos as nossas qualidades aumentamos a percepção que temos do nosso valor.

Faça uma lista de todas as suas qualidades, mesmo aquelas que lhe pareçam ser pouco significativas. Peça também a familiares e/ou amigos mais próximos que escrevam numa lista as qualidades que mais valorizam em si.

4 – Substitua o diálogo interno sobre si mesmo por um diálogo mais positivo. Muitas vezes falamos connosco mesmo utilizando expressões como: “Estupidez a minha”, “Só faço disparates”, “Sou sempre a mesma coisa”. Estas expressões podem parecer inofencivas mas têm um efeito fortemente negativo na nossa auto-estima e auto-confiança.  Tome atenção áquilo que diz e pensa sobre si mesmo. Sempre que se refira a si mesmo de forma negativa, procure provas na sua experiência  de que aquilo que diz de negativo acerca de si mesmo não corresponde à realidade e passe a utilizar um diálogo mais positivo, em que se foque mais nas suas qualidades e se valorize mais.

No próximo mês continuaremos a sugerir mais estratégias que contribuem para um reforço efectivo de auto-estima e auto-confiança.

Ao longo deste mês, se já é membro do Clube do Optimismo, irá receber mails com sugestões de exercícios que o inspirarão e guiarão na mudança que tanto deseja.

Esteja atento à sua caixa de e-mail.